Revitalização: principal avenida do Shell recebe nova sinalização viária

Ações de pintura de sinalização horizontal estão sendo executadas, e incluem faixas elevadas de pedestre; pintura de bordo, tracejado, vagas de estacionamento, parada obrigatória e setas direcionais. Posteriormente serão implantadas placas de regulamentação.

Revitalização: principal avenida do Shell recebe nova sinalização viária
Equipes da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Urbanos (Semob) de Linhares iniciaram, nesta semana, mais uma etapa do projeto de reabilitação e revitalização da Avenida Cachoeiro de Itapemirim – principal via do bairro Shell.

Ações de pintura de sinalização horizontal estão sendo executadas, e incluem faixas elevadas de pedestre; pintura de bordo, tracejado, vagas de estacionamento, parada obrigatória e setas direcionais. Posteriormente serão implantadas placas de regulamentação. "Esse trabalho contribui para a organização do trânsito, proporcionando mais segurança a motoristas, ciclistas e pedestres”, afirma o secretário municipal de Obras e Serviços Urbanos, João Cleber Bianchi.

De acordo com o secretário, o projeto de reabilitação e revitalização da Avenida Cachoeiro de Itapemirim não prevê a instalação de quebra-molas (redutores de velocidade). Em seu lugar, foram implantadas as faixas elevadas de pedestre, garantindo acessibilidade a cadeirantes e idosos.

"A implantação das faixas elevadas para travessia pedestres é resultado de estudos técnicos para controlar a velocidade dos veículos e também garantir a segurança de cadeirantes e idosos. Em diversos pontos da cidade, esse dispositivo tem sido implantado, levando em consideração o fluxo de pedestres e de veículos”, pondera o secretário João Cleber Bianchi.

A instalação de faixas elevadas para travessia de pedestres é estabelecida pela Resolução nº 738/2018 do Conselho Nacional do Trânsito (Contran). Por questões de segurança, somente devem ser implantadas em locais onde a velocidade máxima permitida for de 40 km/h. A medida visa reduzir o número de acidentes, segundo o órgão.





COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA