Aids dos cavalos: equinos são mortos com tiros de pistola em Fazenda de Linhares

12/06/2012 – 08h51 - Atualizado em 12/06/2012 – 08h51

Um médico veterinário do IDAF-ES, Instituto Agropecuária e Florestal do Espírito Santo, solicitou a Polícia Militar para matar três cavalos, em uma propriedade rural localizada em Povoação. Os equinos foram mortos com tiros de pistolas, na tarde desta segunda-feira (11).

Os animais estavam na lista dos que necessitam ser sacrificados por terem contraído Anemia Infecciosa Equina (A.I.E.), chamada de Aids dos cavalos. A doença não tem cura e passa de um animal para outro. O sacrifício dos três cavalos é respaldado pela instrução normativa 45, de 15 de junho de 2004, cujo disposto determina que os animais contaminados por AIE sejam mortos. O IDAF, que é o Órgão executor da Defesa Sanitária Animal, providenciou o aparato necessário para pó procedimento na Fazenda, em Povoação.

Sobre o Autor

Redação Site de Linhares

A Redação do site de Linhares está ligada aos acontecimentos e se preocupa com a informação.

Escreva o seu Comentário

6 Comentários

  1. do interlagos 12/06/2012 - 23h23

    você fugiu da escola ou nunca foi a escola marianaKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  2. é! ingualzinho a dos homens?? 12/06/2012 - 19h24

    Acho que deveriam ser elaboradas camisinhas para equinos, pois na época de acasalação o risco de contágio provavelmente aumentará. Outro ploblema é que o mosquino, pois tá no topo dos alimais mais mortíferos do praneta, imagina quão perigoso é o mosquito da denguis quando trasmite o virus Aids egipsy? questão sanguinea é coisa muito séria, pois circula pelo corpo todo.

  3. LN 12/06/2012 - 17h45

    Passou longe da escola e está bem próxima dos cavalos. kkkk. Tô brincando Mariana, só pra zuar.

  4. Maestro 12/06/2012 - 13h35

    Essa Mariana passou longe da escola... kkk

  5. Mulher gato 12/06/2012 - 13h06

    "geito" não vai ter nunca Mariana.

  6. mariana 12/06/2012 - 10h43

    tadinhos desses cavalos eu nem queria ta perto na hora que mataram eles; mais fazer o quer nem não tinha geito